jan 2011 12

Errata: David Cronenberg é canadense e não americano, e dirigiu Scanners I (1981). O II – Scanners New Order foi dirigido por Christian Duguay.

jan 2011 13

Como prometido, complemento o post de áudio de ontem, com imagens escaneadas do caixa, da capa e do frontispício da edição comemorativa (Grove Press, 2009) pelo 50º aniversário de Naked Lunch (Almoço Nu), original de 1959, por William Burroughs (1914-97). Uma edição linda, flamboiã, “inemprestável”. Na primeira transmissão da rádio Quadrado dos loucos, também falei do filme Naked Lunch (David Cronenberg, 1991). Imperdoavelmente, esqueci de falar da trilha sonora, em free jazz libertino de Ornette Coleman e Howard Shore. Assim como a literatura beatnik (principalmente Jack Keroauc), os gurus do free jazz John Coltrane e Coleman também enveredaram por correntes orientalistas, “cósmicas”, em busca do inefável da música. Então nada mais apropriado do que o cineasta Cronenberg selecionar esse estilo para musicar o longa-metragem. Vai ainda uma amostra da voz “melíflua” de Burroughs, lendo um capítulo de sua obra magna. Segue depois em vídeo a performance de Interzone (um capítulo de Naked Lunch) , pela banda manchesteriana Joy Division. O poema citado de Hilda Hilst vai completo, e finaliza este adendo. Agradeço mais uma vez a audiência do vaudeville de ontem.
Caixinha (rija, 3 planos montados na foto) de Naked Lunch, Grove Press, NY 2009 [1959] 
Capa, lombada e contra-capa
Frontispício
Capa da trilha sonora / Naked Lunch, 1991 (1ª faixa)

 
Burroughs lê o capítulo Hospital, de Naked Lunch
Interzone, do álbum Unknown Pleasures (1979), do Joy Divisionas imagens são do filme Control, Anton Corbjin, 2007



Poemas malditos, gozosos e devotos – IV (Hilda Hilst)

Doem-te as veias?
Pulsaram porque fizeste
Do barro os homens.
E agora dói-te a Razão?
Se me visses fazer
Panelas, cuias

E depois de prontas
Me visses
Aquecê-las a um ponto
A um grande fogo
Até fazê-las desaparecer

Dirias que sou demente
Louca?
Assim fizeste aos homens.

Me deste vida e morte.
Não te dói o peito?
Eu preferia
A grande noite negra
A esta luz irracional da vida.
jan 2011 28